sábado, 13 de junho de 2009

Minha Imortal

Quanto tempo faz...
E quanta coisa se passou...
E depois de tanta dor,
Eu ainda sinto sua falta.

Uma essência imortal,
Que envolve meu coração.
E o aperta, o asfixia.

Minha imortal,
Como desejo ver teu sorriso.
Largo, sinico e sincero.
Que falta faz sofrer.

E eu a perdi por dizer a verdade,
Por dizer que a amo.

És minha estrela maior,
A qual meu mundo gravita ao redor.

Um dia uma amiga.
No outro, talvez,
Algo no grupo das coisas que não importam.
Penso eu.

Envolvida,
Asfixiada,
Eternamente serva
Desse fruto.

Minha.
Minha eterna paixão.
Paixão imortal.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Não creio em coincidências. Mas acredito no sincronismo das idéias.
    Criamos poemas irmãos, não gêmeos, mas similares em essência...

    ResponderExcluir

Comenta aí, é importante para mim.